O falhanço da estratégia contra o terrorismo

por Hugo Pires

 

Na sequência dos terríveis atentados do passado dia 11 de Março, em Madrid, é exigida uma reflexão acerca da estratégia que tem sido utilizada para lutar contra o terrorismo fundamentalista, devido ao facto de esta não ter obtido, até ao momento, resultados eficazes que nos possam fazer afirmar que o terrorismo fundamentalista está hoje mais fraco do que em Setembro de 2001, altura em que a questão saltou para o primeiro plano das preocupações da opinião pública mundial, na sequência dos atentados levados a cabo em Nova Iorque e Washington.

   Como consequência dos ataques ao World Trade Center e ao Pentágono, símbolos do poder económico e militar dos Estados Unidos, o Presidente Bush apressou-se a declarar guerra ao terrorismo, formando-se para o efeito uma coligação internacional integrada por diversos países.

   Uma das primeiras medidas tomadas foi o congelamento de contas bancárias pertencentes a alegados membros da Al-Qaeda, de modo a não lhes ser mais possível financiar operações de terror. Ao mesmo tempo, o pavor e o medo da ocorrência de atentados instalaram-se nas sociedades ocidentais, nomeadamente da norte-americana. A resposta dos governos foi um maior rigor em questões de segurança, interna e externa, que chocou, em muitos casos, com os direitos e liberdades fundamentais dos cidadãos, que são um factor estruturante da sociedade livre, democrática e pluralista, que muitos destes governos afirmam defender, nomeadamente os Estados Unidos e a Grã-Bretanha, países em que estas medidas de segurança mais se fizeram sentir.

   Não tardou a resposta militar, que surgiu na forma de bombardeamentos em larga escala ao Afeganistão, com o objectivo de derrubar o regime talibã, apoiante da Al-Qaeda, organização terrorista responsabilizada pelos ataques de 11 de Setembro de 2001, que ao que consta, possuía total liberdade e até apoio, para desenvolver a sua actividade no país, nomeadamente no estabelecimento de campos de treino para terroristas. A guerra foi curta, durando apenas dois meses, após os quais os talibans foram expulsos das principais cidades, destruíram-se os campos de treino para terroristas, capturaram-se algumas centenas de supostos talibãs e membros da Al-Qaeda que foram levados, ao que consta em condições degradantes e claramente violadoras dos direitos humanos, para a base de Guantánamo. Também foram eliminados alguns líderes menores da Al-Qaeda, cuja única exepção será talvez Mohammed Atef, número três da organização, morto num bombardeamento no Afeganistão em finais de 2001.

   Faltou desmantelar a Al-Qaeda, ou pelo menos, retirar-lhe capacidade operacional, o que pelos vistos, até agora, não foi conseguido. Era também um objectivo capturar ou eliminar fisicamente o seu líder, Osama Bin Laden, que o Presidente Bush queria “morto ou vivo”. Este objectivo também não foi até agora atingido, pois Bin Laden, assim como o seu número dois, o médico egípcio Ayman Al-Zawahiri e o líder dos talibãs, Mullah Omar, continuam em parte incerta, apesar dos boatos, pelos vistos infundados, que os deram como tendo sido capturados, feridos e até mortos.

   Após o Afeganistão, o Presidente Bush acusou a Síria, o Irão e o Iraque de apoiarem o terrorismo fundamentalista, afirmando que estes estados constituiriam umeixo do mal”. Não demorou muito tempo para que os ventos da guerra se voltassem a fazer sentir, desta feita no Iraque. Sob pretexto de que o ditador Saddam Hussein possuía capacidade para produzir armas de destruição maciça, os Estados Unidos decidiram derrubá-lo do poder, a fim de implantarem no Iraque um regime democrático exemplar. Esta decisão suscitou uma imensa polémica e um intenso debate mundial, após o qual, os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e também a Austrália, apoiados pela Espanha, pela Itália, pela Polónia, por Portugal, entre outros, decidiram avançar unilateralmente, sem o apoio das Nações Unidas, numa clara violação do direito internacional, debaixo da indignação e revolta dos países árabes e das críticas de países europeus como a França ou a Alemanha.

   Saddam Hussein foi apeado do poder em poucas semanas. A questão é que a credibilidade e a legitimidade internacional dos Estados Unidos ficaram afectadas para sempre, nomeadamente perante o mundo árabe, que se sentiu desautorizado e humilhado, perante a arrogância da potência imperial que lhe quer impor valores culturais e políticos, se necessário pela força das armas que, não esquecer, matam civis inocentes. Do ponto de vista do Presidente Bush, isto não é mais do que o seu grande projecto para democratizar o Médio Oriente, do ponto de vista árabe é um dever de resistência, mais do que um motivo de ódio em relação ao mundo ocidental, é uma luta de valores civilizacionais que estão dispostos a levar até às últimas consequências, atirando muitos indivíduos até então moderados para os braços do extremismo. Com isto se explicam as dificuldades que as tropas americanas enfrentam no Iraque de hoje, onde a resistência à ocupação parece não ter fim, com isto também se explicam, em parte, os atentados do passado dia 11 de Março em Madrid, que são uma demonstração de que os terroristas continuam a existir e que possuem capacidade para fazer atentados – uma demonstração prática do falhanço da estratégia delineada contra o terrorismo internacional.

   A estratégia da luta contra o terrorismo deve o seu falhanço ao facto dessa mesma luta ser travada quase exclusivamente por meios violentos, que provocam a mesma reacção do outro lado da barricada.

  É indiscutível que se devem punir e castigar severamente os autores morais e materiais dos atentados terroristas, mas isto é algo que poderá ser feito nas instituições próprias, que são os Tribunais e dando todas as garantias de defesa aos acusados.

   Mas não é somente pela repressão e pelo castigo que se combate o terrorismo mundial, creio mesmo que o mais importante passa por integrar esses povos na comunidade internacional, nomeadamente através do combate à pobreza e à exclusão, que talvez seja um dos principais factores que pode levar um ser humano a tornar-se terrorista. Em relação à pobreza, é necessário combatê-la não entre seres humanos, mas também entre países, que os há cada vez mais ricos e cada vez mais pobres, para o efeito, atrever-me-ia sugerir a introdução da “Taxa Tobin”, proposta pelo economista americano do mesmo nome, Prémio Nobel da Economia em 1981, que consiste numa taxa de 0,1% sobre todas as transacções resultantes da especulação financeira e monetária. Com este dinheiro, seria possível ajudar os países em vias de desenvolvimento, através de programas de alimentação, medicamentos e educação. Era uma forma de desviar potenciais terroristas dos caminhos do recrutamento pela parte de organizações extremistas.

   Para terminar, mas não menos importante na luta contra o terrorismo, seria bom para quem se afirma campeão da liberdade e dos direitos humanos dar o exemplo de como se faz. Esse exemplo deverá passar obrigatoriamente pela ratificação da Convenção de Quioto, sobre a emissão de gases para atmosfera e do Tribunal Penal Internacional, instituição destinada a julgar crimes contra a humanidade, aos quais ninguém deveria ficar impune. Também seria um óptimo sinal se deixasse de usar dois pesos e duas medidas em relação ao conflito israelo-árabe, que tantas mortes por terrorismo tem provocado, pois seria o primeiro passo para a resolução do mesmo.

   Enquanto isto e muito mais não acontecer, os Estados Unidos não têm moral para exigir o que quer que seja dos outros povos.