A outra discussão: os “sacrilégios” da China

______________________________________________

Fernando Penim Redondo, 25 de Agosto 2008

 



Os Jogos de Pequim terminaram e, apesar dos maus augúrios, não houve nenhuma hecatombe a não ser a do bom-senso de uma certa blogoesfera e de certos jornalistas.

Comparou-se os Jogos de Pequim aos de Berlim, com Hitler em fundo, e publicou-se imagens propagandisticas contra a China tão desadequadas e tão violentas que a própria Amnistia Internacional teve que as desautorizar.
Nem a óbvia evolução positiva que qualquer pessoa detecta na complexa sociedade chinesa nem o facto de a generalidade dos chineses se mostrarem orgulhosos com a realização dos Jogos conseguiu demover os novos cruzados de os tentar salvar da opressão mesmo utilizando os pretextos mais– literalmente- infantis.

Sou levado a interrogar-me sobre as razões por que um número considerável de pessoas, que noutras circunstâncias procedem com equilibrio e racionalidade, consideram a realidade chinesa tão insuportável que rejeitam ou apoucam aquilo que se mete pelos olhos dentro, que os JO foram uma realização notável.

Sem subestimar a questão dos “direitos humanos” na China parece-me que concentrar as atenções nisso, quando a nova realidade social e económica da China é tão anormal e tem consequências potenciais tão grandes a nível planetário, não pode deixar de me soar a escapismo. Foi por este caminho, por pensar que deve haver uma explicação para este absurdo, que cheguei aos “sacrilégios” cometidos pela China.

Como se sabe a morte de Mao em 1976 abriu caminho, sob a influência de Deng Xiaoping, a uma série de transformações gigantescas cujos resultados estão hoje patentes ao mundo:

1. O Partido Comunista da China abandonou uma das mais marcantes bandeiras da esquerda, a comparação entre pobres e ricos e a rejeição das desigualdades económicas como um mal em si mesmo, com o qual não é possível conviver pacificamente. O PCC assumiu sem rebuço que não se importava com o enriquecimento de alguns desde que muitos melhorassem a sua condição económica e qualidade de vida.
Resolveu tornar a China um verdadeiro e apetecível mercado, começando com o engodo de vender mão-de-obra barata quer embutida em produtos exportáveis quer através da exploração no próprio país por empresários estrangeiros.
À medida que milhões e milhões de chineses iam acedendo a salários, ainda que muito baixos, o apetite das empresas estrangeiras por esse novo mercado foi crescendo e levando à implantação de mais e mais produção no país que se converteu na “fábrica do mundo”.
Qualquer pessoa percebe hoje, e pode constatar por notícias constantes, que esse mecanismo a partir de certo ponto se autoalimenta e está em vias de criar uma “classe consumidora” que não tem paralelo no mundo.

2. É absolutamente extraordinário que o PCC, um partido tão marcado pela sua ideologia e pela sua história revolucionária, tenha conseguido esta proeza do pragmatismo. Podemos tentar imaginar as discussões no círculo íntimo de Deng Xiaoping acerca das experiências anteriores do regime que sempre se tinham mostrado incapazes de tirar o povo chinês da extrema penúria.

Um dia esses dirigentes do PCC concluiram, com uma coragem notável, que não sabiam como liderar mais de mil milhões de pessoas no caminho do progresso, usando o quadro ideológico que sempre os norteara. Este momento dramático é insuportável para a esquerda porque representa o reconhecimento da sua incapacidade, ainda não ultrapassada, de conceber um novo modo de produção praticável.

É ainda mais dramático pelo facto de a China ter sido, provavelmente, o cenário onde uma “nova economia” teria mais “condições subjectivas” para se realizar: um país imenso, com centenas de milhões que não tinham nada para perder, com hábitos de disciplina e frugalidade, com tradições de poder central forte, com fraca probabilidade de interferências ideológicas externas dadas as diferenças culturais e de idioma, etc, etc.

3. A China, irritantemente, não se projecta no mundo através de qualquer proselitismo ou, sequer, da força militar. Ao propagar o seu poder meramente no plano económico e dos negócios neutraliza qualquer abordagem contestatária no plano tradicional da ideologia.

A política internacional chinesa parece obedecer ao mesmo infatigável pragmatismo declarando-se incompetente para classificar os comportamentos dos seus parceiros comerciais quaisquer que eles sejam.

Há por isso uma enorme confusão acerca do carácter de esquerda ou de direita do regime chinês o que é sobremaneira desconfortável para a esquerda que cultiva melhor do que ninguém esse tipo de clivagens.


4. Aquilo que os dirigentes chineses propõem ao seu povo não é uma qualquer forma de privação actual em nome de um futuro radioso como acontecia nas experiências históricas do “socialismo real”. Pelo contrário, o PCC obtem o seu crescente apoio popular demostrando que está a tentar viabilizar, agora, padrões de consumo e de qualidade de vida elevados para o maior número possível de chineses. Os apelos de sereia que as televisões da Alemanha, com os seus BMW, exerciam sobre os cidadãos da RDA e os seus Trabant não funcionam na China.

É como se os chineses tivessem feito da maior arma dos seus adversários a sua principal alavanca para o progresso e a sustentação do regime.

__________________________

Tudo isto é bastante perturbante e de resultados imprevisíveis mas é a esta luz que a questão das liberdades políticas na China tem que ser analisada. Se o exercício político tem por objectivo supremo alcançar um “bom governo”, que leve à prática o “interesse público”, talvez muitos chineses, pela experiência vivida, pensem que esse objectivo já foi alcançado.
Claro que a nós, ocidentais, nos sensibiliza também o lado do respeito pelo indivíduo mas ainda estou para saber se os chineses têm um conceito de indivíduo similar ao nosso.

Em democracia as eleições parecem-se cada vez mais com os mercados e, inversamente, as escolhas do consumo perante a variedade dos produtos nos mercados parecem-se cada vez mais com as votações políticas.

Para já a centenas de milhões de chineses está a ser dada, pelo Partido Comunista, a liberdade de escolha das mercadorias que as suas necessidades, ou fantasias, lhes pedem.
Pode parecer pouca liberdade a quem sempre a teve mas aos chineses, que nunca a tiveram, pode bastar-lhes ainda durante algum tempo.

Depois veremos...